Buscar

Proteção de Ingredientes ativos: Como evitar problemas de estabilidade nas formulações cosméticas.

A nanotecnologia é a ciência que estuda materiais com dimensão nanométrica (10-9m), tem aplicação multidisciplinar e vem ganhando destaque na encapsulação de ativos. Também chamada como a ciência do invisível é desconhecida por muitas pessoas ou até confundida com outros tipos de aplicação. Pensando nisso, vamos postar em nosso blog, durante todo o mês de abril, artigos que podem esclarecer dúvidas sobre ativos cosméticos nanoencapsulados e quais os benefícios.



Os dermocosméticos, em sua grande maioria, são formulados com ingredientes ativos na forma livre, mas a encapsulação desses ingredientes em nanopartículas se apresenta como a alternativa mais eficaz para garantir a entrega dos benefícios associados aos ativos.

As nanopartículas são capazes de encapsular substâncias com as mais diversas características, especialmente aquelas que apresentam problemas de instabilidade, oxidação, hidrólise, degradação, fotossensibilidade e incompatibilidade com componentes da fórmula e/ou embalagem e algumas com necessidade de refrigeração.


Óleos essenciais e vegetais, antioxidantes e algumas vitaminas são exemplos de ativos sensíveis a estes fenômenos.


A nanoencapsulação apresenta diversos benefícios devido ao tamanho diminuto das partículas que conferem maior área superficial e maior efetividade [1], facilitando a penetração em tecidos como pele, cabelos e unhas [1], otimizando a aplicação dos ingredientes ativos. 

Para facilitar o desenvolvimento de cosméticos e assegurar maior estabilidade e eficácia do produto, o uso de nanopartículas como proteção de ingredientes ativos garante a entrega dos mesmos no alvo de ação, proporciona liberação gradual e controlada, “aumentando o tempo de contato com o alvo e reduzindo possíveis efeitos adversos associados a altas concentrações do ativo” [1]. Destaca-se também que o sistema de encapsulação em nanopartículas permite a proteção de moléculas biologicamente ativas cujo uso era dificultado por fenômenos como instabilidade e baixa solubilidade [1].


Pensando em ingredientes ativos para dermocosméticos, a nanoencapsulação  é a alternativa mais eficaz para garantir os benefícios associados aos ativos.


Dentre suas principais vantagens, estão “a estabilização de ativos cosméticos lábeis, como a Vitamina C, liberação gradual do ativo, o que reduz o risco de irritação cutânea, melhora da homogeneidade de formulações e, principalmente, o aumento de eficácia dos produtos, seja pela estabilidade do ativo, seja pela alta hidratação cutânea proporcionada[2], ou, ainda, pela entrega do ativo nas camadas mais profundas da epiderme com menores riscos de absorção sistêmica.


A encapsulação do ativo através da nanopartícula o protege de interações com o meio, evitando reações indesejadas e fazendo com que ele seja entregue e aja apenas no alvo de ação. A nanoencapsulação garante maior solubilidade, maior estabilidade, biodisponibilidade e funcionalidade dos ativos.


Tudo isso reflete na máxima eficácia do ativo cosmético.



#inovação #tecnologia #biotecnologia #empreendedorismo #ciência #nanotecnologia #protecaodoativo #formulacaocosmetica #cosmeticos #makingthefuture #ascorbicacid #acidoascorbico #vitaminac #dermocosmeticos #cosméticointeligente #vitaminaa #permeaçãocosmética


Referências

Adaptado do Artigo Proteção de Ingredientes Ativos: a nanoencapsulação como solução inovadora para dermocosméticos - autores: Dra. Betina Giehl Zanetti Ramos, Dra. Lara Martholly di Martos, Dra. Ledilege Cucco Porto, Jocelane Zoldan

1. LIMA, P. A. Carreadores Lipídicos Nanoestruturados produzidos a partir de lipídios naturais para o encapsulamento do filtro solar Benzofenona-3. 2018. 132 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Química, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 

2. PUHL, G. M. D.; et al. A importância do Ácido Ascórbico no combate ao envelhecimento.  Revista Saúde Integrada, [S.L.], v. 11, n. 22, p. 47-58, 2018. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/229765819.pdf. Acesso em: 10 ago. 2020.